Inside Out Series Blog #1

5 de June, 2020

As inside out series tem como principio aumentar a qualidade do nosso conteúdo e por outro lado dar a conhecer melhor a nossa equipa e os nossos jogadores.

Nesta primeira entrevista estivemos à conversa com o João “Yohanan” Gaspar, nosso IGL e um dos responsáveis pela boa fase que a equipa atravessa.


  • Quem é o João Gaspar?

    “O João Gaspar é um rapaz de 25 anos, estudou Informática Web na Universidade da Beira Interior e “entrou” no mundo do cs com cerca de 13/14 anos. Mais conhecido como Yohanan atualmente é o IGL dos Wit Esports e acima de tudo é um verdadeiro apaixonado por tudo o que o cs representa!”
  • Qual o maior desafio/dificuldades de criar uma equipa de raiz?

    “A grande dificuldade é encontrar as peças certas, encontrar 5 jogadores com o mesmo mindset e predisposição para levar o jogo o mais “profissional” que se consiga, dentro do panorama possível. Quando se encontra uma equipa em que os 5/6 estão a remar para o mesmo lado e estão todos dentro do mesmo barco é super exequível o crescimento. O maior desafio é verdadeiramente encontrar esses 5 jogadores capazes de entender o que acarreta estar/ser de uma equipa! Fora isso, conciliação de horários, mentalidade certa, organizar os treinos de forma rentável e manter os jogadores motivados e com o mindset para serem criticados e darem criticas construtivas, são os grandes desafios constantes com que uma equipa lida.”

“(…)conciliação de horários, mentalidade certa, organizar os treinos de forma rentável e manter os jogadores motivados e com o mindset para serem criticados e darem criticas construtivas, são os grandes desafios constantes com que uma equipa lida.”

João “Yohanan” Gaspar
  • Quem são os WIT Esports?

    “Somos uma equipa recente composta por jogadores totalmente diferentes e isso faz de nós o que realmente somos.
    Reys é o nosso lurker de serviço, um jogador muito calmo, inteligente nas tomadas de decisões e como costumo dizer é aquele jogador que não se dá por ele e quando se presta atenção já vai destacado com 30 kills. Falando de skill na vertente mais pura, temos o júnior o nosso arrozdoce, um aim incrível, muito bom com as pistols e é aquilo que eu chamo o nosso jogador “híbrido “ o que para mim faz dele a grande chave do nosso sucesso nos ct sides. Por outro lado, temos o elnuck uma skill individual maravilhosa e nos dias dele é sem dúvida alguma uma máquina de aim, uma pessoa que vive o jogo como poucos e o jogador mais experiente de todos nós.
    Depois, temos o ewjerkz, um jogador sem grande experiência competitiva a dar os primeiros passos na nossa scene competitiva, mas um talento puro e não duvido que seja um jogador do qual se vai ouvir falar muito em Portugal num futuro próximo. Acho que não vale a pena falar muito, basta verem um jogo nosso e percebem o que quero dizer. Nem sempre o melhor fica para último, bottom fragger dos wit/igl/awp da equipa, considero-me muito passivo como jogador, calmo e que tento prezar acima de tudo pela qualidade do nosso cs jogado. Se temos uma receita para o sucesso? Temos. Se isto faz de nós uma equipa? Não, mas com trabalho e dedicação tudo se consegue e só cabe a nós trabalhar para mostrar o que somos!”
  • Como está a correr o projecto dos WIT Esports e quão diferente tem sido em comparação aos teus projectos anteriores?

    “O projecto dos WIT Esports está em fase de crescimento, com alguns altos e baixos mas com imensas pontas positivas ao longo destes 2 meses. Houve mudanças na equipa forçadas, o que torna as coisas um pouco mais complicadas de se gerir e inclusive na minha opinião, fez com que existisse alguma instabilidade emocional ao longo deste período, mas no geral tem sido uma experiência incrível e estamos a dar um passo de cada vez tentando cimentar tudo como deve ser cimentado. No meu caso pessoal tem sido um projecto completamente diferente, pois já não estava numa equipa competitiva como jogador desde 2018 e o papel e postura é completamente diferente. Logo, posso concluir que tem sido um desafio muito produtivo para mim mesmo e tenho crescido imenso em todos os aspectos dentro do jogo e fora dele!”
  • Quais os objectivos da equipa a curto prazo/longo prazo?

    “A curto prazo é tentar a qualificação para os playoffs das Cups do Rafael Pais e a qualificação para a CSL league.
    A longo prazo os objectivos é termos uma map pool estável, coesa e sólida na qual nos possamos sentir super confortável nela, ganhar experiência suficiente e encontrar estabilidade nos resultados e prestações colectivas, mas como disse antes é um passo de cada vez, no entanto tentar ser uma das equipas de renome em Portugal quiçá um top8, vamos trabalhar dentro daquilo que nos é possível para tal, mas sempre com humildade e sabendo o nosso lugar.”

“A longo prazo os objectivos é termos uma map pool estável, coesa e sólida na qual nos possamos sentir super confortável nela, ganhar experiência suficiente e encontrar estabilidade nos resultados e prestações colectivas, mas como disse antes é um passo de cada vez(…)”

João “Yohanan” Gaspar
  • O porque da constante mudança de lineups na comunidade portuguesa de CS?

    “Não querendo ser muito polémico, na minha opinião adverte da falta de profissionalismo por parte dos atletas portugueses e por mentalidades muito fracas. As pessoas querem resultados a curto-prazo e quando eles não resultam ao invés de resolverem os problemas vão procurar soluções fora e passado 3 meses os mesmo problemas voltam a surgir e novamente se vai trocar peças. O problema nunca é da estrutura, mas sim do jogador x ou y porque não mete tantos números ou é y ou z. Na minha opinião é um pouco ridículo a incoerência dos jogadores em Portugal e da mentalidade de superioridade que muitos têm. Somos muitos pequenos no panorama Mundial e os egos em Portugal são gigantes.”

“Na minha opinião é um pouco ridículo a incoerência dos jogadores em Portugal e da mentalidade de superioridade que muitos têm. Somos muitos pequenos no panorama Mundial e os egos em Portugal são gigantes.”

João “Yohanan” Gaspar
  • Como vês o futuro do CS nos próximos anos?

    “Sendo bem sincero, receoso e com alguma preocupação. Não sei bem ao certo o que o source 2 será e o que poderá fazer ao csgo em si, mas já se nota uma queda gigante nas Scenes com a entrada do Valorant. Scenes como a Scene NA está quase a ficar sem jogadores para equipas tier3/tier4 o que a longo prazo pode ser um grave problema para a evolução deste jogo.
    Em relação a Portugal, vejo com bons olhos pela primeira uma equipa capaz de jogar a um nível muito alto lá fora, os Saw fazem-me ter esperança de ver uma equipa Portuguesa nos maiores palcos da Europa. Os giants começam a aparecer e aquela estrelinha dos jogos sempre close começa a cair para eles e uns Baecon/Ftw e até mesmo uns Exploit capazes de competir lá fora também. Não quero falar dos Offset, que acho que deram um tiro no próprio pé e a gestão foi terrivelmente mal feita. No panorama geral, vejo com bons olhos o cs em Portugal, no entanto a postura e mentalidade necessita de mudar, os jogadores necessitam de mais critério e mais profissionalismo, precisam de trabalhar de forma mais eficiente e levar o jogo mais a sério!”

“Em relação a Portugal, vejo com bons olhos pela primeira uma equipa capaz de jogar a um nível muito alto lá fora, os Saw fazem-me ter esperança de ver uma equipa Portuguesa nos maiores palcos da Europa(…)”

João “Yohanan” Gaspar